13.5.10

Mente e Não-Mente



A Mente Em Si Não

Existe,

Só Consciência


A Consciência é tudo que existe.

Quando ela se identifica com a forma, com o corpo e com a mente, por isso ela ignora a sua própria Natureza. A consciência SOFRE.

Quando ELA SE IDENTIFICA com a  forma, e com o que ela vê. O que acontece? Ignora a sua própria Natureza, tem medo de morrer, acaba sofrendo dos apêgos, acaba sofrendo dos desapêgos, ou mesmo de muitas coisas que acontecem.

Quando a Consciência NÃO SE IDENTIFICA com a forma, com o corpo e com a mente, ela reconhece a sua própria Natureza, ela se dá conta do quem somos, que não somos nem corpo, nem mente.

O que acontece após estar nesse estado? Vemos finalmente quem somos, e sente-se libertação.

Experimentemos olhar para dentro de nós, e vemos quem somos na verdade, pensamos se é essa a realidade agora, ou já era antes! Nunca deixou de ser Consciência, simplesmente ignorava antes a sua própria Natureza.

Podemos sair donde nós somos? Claro que não!

A mente existe, enquanto mente em si?

Primeiro, temos de olhar e ver directamente o que é isso que existe em nós, independentemente do que vemos. CONSCIÊNCIA, esse céu azul.
Por exemplo: quando olham o céu vêm as nuvens a irem e virem, o pássaro passa não mexe no céu, não transtorna o céu, por fim não acontece nada no céu. O céu continua o mesmo, ileso. Essa é a Natureza do nosso Ser. SOMOS NÓS.

Se recebes de alguém um presente, um elogio, se recebes de alguém uma facada, se alguém te provoca. Isso acontece simplesmente fora da consciência, na periferia da consciência. Na verdade não recebeste presente nenhum. E se o recebeste? foste tu próprio que deste, É veres-te a TI PRÓPRIO, mente, corpo e forma, só existem porque a Consciência existe. Mas, sem Consciência não existe corpo e forma.

E, sem corpo e forma, existe Consciência?
Claro que sim. Voltemos às nuvens, se tirarmos as nuvens do céu o que fica? Muda alguma coisa para o céu?
A Consciência é tudo o que existe. A mente em si não existe, mas é consciência adulterada, em confusão.

Quando a mente está a elaborar, quando se explicita, quando se ilumina, quando se esclarece, o que fica transparente através na mente? O que a mente tem de fazer é esse trajecto todo, ou então, a consciência tem de começar a ouvir, através da mente, o que está a ser dito e elaborar internamente.

Não existe Mente, só existe Consciência.
Consciência ignorante de si mesma é mente. Quando a consciência se reconhece é não-mente. Algo como, um acontecimento, algo como o AGORA. Se descansamos nessa Natureza, se repousamos nessa Natureza, o que acontece com a mente? Fica uma sensação dentro dessa Consciência. As nuvens passam, o pássaro passa e o céu continua inalterado. Aos nossos olhos existe uma ilusão, somente ilusão.

Todavia, nós enquanto mente, não temos controle sobre a nossa Consciência, em expandí-la.

A Consciência é tudo que existe.
LUmeNA

14 comentários:

Edson Carmo disse...

Lumena,

A consciência é inalterável. A consciência nunca sofre, porque só a mente é sofredora. O ato de distrair-se da consciência é quem faz surgir a mente sofredora. Portanto somente quando estamos inconscientes é possível sofrer. Lembre-se: Inconsciência significa não-consciência. Não consciência é mente. Não-mente é consciência.

Quando a consciência identifica-se com as formas – essas que estão refletindo sobre ela –, ela deixa de perceber-se. E embora continue existindo, só conseguirá ver o seu reflexo – aquilo que dali em diante acreditará ser o seu ser.

Isso é tudo!

Edson Carmo

"§Fábio§" disse...

Tri legal esse bichinho no rodapé, rsrsrss

LUmeNA disse...

Edson Carmo,

"A consciência é inalterável."

Isso acontece no plano da Consciência que Vê.
Para além dos corpos, físico, mental e intelectual, possuimos acima de tudo, Consciência. O desenvolvimento do homem culmina quando ele desenvolve a sua identidade com esse Princípio que é o Cerne Espiritual e a sua Natureza Real.
Não se pode compreender o que é esse estado se não fôr vivenciado, com SENTIDO.

O sofrimento de que falo, é o sofrimento que está fora da sua Natureza, fora da sua consciência, ou seja, como dizes, inconsciência.

Excelente comentário.
Grata,

LUmeNA

LUmeNA disse...

"§Fábio§",

É legal mesmo, meu Dasko!
Quando o vier visitar lhe dê de comer.

Grata!

LUmeNA

Graça Pereira disse...

Gostei desta explicação sobre mente e consciência e é esta última que nos dá a sensação do que nos rodeia e o conhecimento da vida.
Beijocas e uma semana feliz.
Graça

LUmeNA disse...

Graça Pereira,

A não-mente (consciência), é a quietude, esse não-pensamento, algo como dimensão da consciência.

Essa sensação que dizes do que nos rodeia e o conhecimento da vida, é diferente.

Da consciência de que falo é a da não-dualidade, ou seja, a auto-consciência, no abandono das identificações, dos conceitos, das ideias, cessar todos os esforços e pensamentos. Olhar para dentro e apenas ser, permanecendo no silêncio.

Grata querida amiga,
LUmeNA

Bibi disse...

OI NINA TEU DASKO me mete nervos...
não dorme e só ker bolinhas mas eu ponho-o de castigo hi hi
bichinho danadinho hein?!?!
muito engraçadinho...

Hod disse...

Mente nada mais é que um processo. Ir além desse processo é ultrapassar as fontreiras do racional.Ampliar e amplificar a Consciência é nada mais que viver em harmonia e uníssono com a Consciência Existência. Pra isso ocorrer é preciso, render-se, entregar-se à Consciência Existencial. É desprogramar-se de todos os conceitos e convenções.
Gostei de ler-te em texto tão existêncialment consciente.

Forte abraço pra vc Lumena com muitas bençãos.

Hod.

LUmeNA disse...

Bibi,

Deixa meu bichinho de estimação em paz :)

LUmeNA disse...

Hod,

A nossa natureza é harmónica, serena, tranquila, profunda no nível de Consciência.
Ensina a viver uma vida smples para que não nos tornemos escravos da nossa mente.

Grata pelo comentário excelente!

Abraços,
LUmeNA

Angélica disse...

Obrigada por seu carinho comigo Lu.

Estarei te seguindo pelo Cheiro de Flor

Beijos...

LUmeNA disse...

Angélica,

Grata Angélica.

Be;)os,
LUmeNA

TK disse...

A Consciência é nosso puro estado desperto, que é obscurecido pela mente, pela noção do eu/outro, a dualidade (bom/ruim, apego/aversão,amor/ódio, assim por diante) e só conseguimos estar nesse estado desperto quando meditamos...Bela esplanação.
Abraços

LUmeNA disse...

TK,

Excelente teu comentário.

Grata querida amiga!

Abraços,
Lumena