2.7.10

O Pássaro de Fogo

Desenho: rogério f.

L`Oiseaux de Feu


Um ballet dedicado a Ygor Stravinsky (1882-1971).

O Pássaro de Fogo, é uma das peças consagradas de Igor Stravinsky. A história é baseada nos contos populares russos sobre o pássaro mágico brilhante, que passou a ser uma bênção como também uma perdição, para quem o captura.
É uma história oferecida para os jovens e para os mais velhos, em honra do amor e da liberdade.

Eis a belíssima história:

Num jardim havia muitas árvores, que durante todo o ano davam frutos encantados, as maravilhosas maçãs de ouro. Nesse jardim viviam algumas prisioneiras muito belas. Eram jovens raptadas e enfeitiçadas que o mago Katschei as mantinha ali para preencher o feudo com juventude e beleza.
Num lindo dia de sol o príncipe Yvan entra sem perceber no jardim e tem uma visão mais extraordinária que jamais teve. Observa um Pássaro de Fogo que fica atraído pelas maçãs de ouro. O príncipe consegue segurar o belo pássaro de plumas de ouro, avermelhado e brilhante. O pássaro fica assustado e implora para que o deixe em liberdade e, em troca oferece uma das suas plumas, que tinham o poder de proteger contra os feitiços.
O príncipe Yvan impressionado fica toda a noite perto do jardim e vê as princesas em liberdade e, é visto pela mais bonita das moças que timidamente se aproxima e conta a sua história.
Yvan se apaixona por ela, mas logo tem de deixá-la voltar, pois o dia amanhece, além disso, elas estavam proibidas de falar com estranhos, mas o príncipe inconformado segue-a e, a moça implora que não o faça dizendo ser perigoso desobedecer o mago.
Yvan muito triste finge aceitar o pedido da bela jovem, e é levado por um pequeno exército à presença do mago, que lhe lança os feitiços.
Ele, por sua vez lembrando-se da pluma encantada que o pássaro lhe tinha dado, agita a pluma em frente ao rosto do poderoso mago. Nesse momento o Pássaro Encantado reaparece em socorro ao príncipe e obriga o mago e os seus monstros a dançarem até cairem exaustos.

A imortalidade da alma estava trancada num grande ovo. Quebrando o ovo, o poderoso mago morre, o castelo desaparece e as princesas ficam livres novamente.

Eis porque a separação do corpo e da alma é a morte do homem em si, a descontinuação da sua existência, da sua existência como homem.
Lumena

7 comentários:

A Flor do Sul - Perah Hadarom disse...

Linda lenda, coragem e medo se misturam, e no fim tudo se resolve! Nunca vi uma apresentação de ballet a não ser pela televisão, mas deve valer a pena sim, especialmente uma como esta.

Lumena, minha linda, tenho um presente para o teu blogue lá no meu. Não te faz de rogada e apanha ele ali. Abraços cordiais e bom sábado.

Eduardo Medeiros disse...

Não conhecia essa bela história e nem o autor! Gostei da hora em que o pássaro encantado bota o mago e os monstros para dançarem...rs

E viva a liberdade!

beijos

LUmeNA disse...

A Flor do Sul - Perah Hadarom,

Ver uma apresentação de ballet é muito lindo.
Pássaro de Fogo é um ballet, onde a magia, amor e liberdade se entrelaçam, baseada numa lenda Russa.

Existe uma outra lenda, que na noite de S. João, o Pássaro de Fogo, passa no céu e vai do Moxuara, em Cariacica ao Mestre Álvaro, na Serra. Festeja-se no Brasil, na noite de S. João.

Grata pelo selo e vou buscá-lo sim!

Bom sábado para ti.

Abraços,
Lumena

LUmeNA disse...

Eduardo Medeiros,

A obra é do músico e maestro Ygor Stravinski. É um compositor norte-americano nascido na Rússia e um dos maiores inovadores musicais do sec. XX.

Existe uma semelhança da lenda "Pássaro de Fogo", que é apresentada na noite de S. Joao no Brasil, com a lenda da Russia.

Beijos,
Lumena

A Flor do Sul - Perah Hadarom disse...

Não é incrível como as lendas e o folclore em geral dos diversos povos parecem sempre tão próximos? Faz-me pensar se não temos todos na Terra uma origem comum... deve de ser mesmo assim.

Lumena, que bom que falastes na cidade de Cariacica agora, sei que localiza-se no Nordeste do Brasil, e é para lá que vou, em breve.

Calma, que eu explico. Em primeiro lugar, não sei se vai dar certo, mas é bem provável. Devido aos problemas de discriminação no meu emprego, tomei a decisão de sair. Em uns 40 dias, ou pouco mais, digo adeus a essa situação degradante e infeliz onde me encontro. E, gostava muito de poder sim ir para Portugal, Lisboa é como um sonho. Porém, lembras-te de meu namorado alfacinha? Pois é, Lumena, o Fernão está cada dia mais ausente. Não toca no assunto, não teria coragem, porém creio que esfriou o fogo, que no fundo ele não me quer; e eu acabei por desenvolver por ele um sentimento muito forte, é pena que tenha acabado dessa forma...

Tenho um amigo, chama-se Renato. Vive numa pequena cidade do Estado do Rio Grande do Norte. Convidou-me a morar junto dele, e penso em aceitar. Sei que é outro clima, e outra cultura, as pessoas têm sotaques e mentalidades diferentes das que eu estou acostumado, mas poderei me adaptar, afinal sempre fui um camaleão. O Brasil é grande, espero não sentir saudades do Sul, minha terra. Antes d'eu partir, passo na cidade onde minha família vive, e visito minha mãezinha, minha irmã ciganinha e todos por lá! Me desejes sorte, Lumena, reza por mim! Decidi fazer o que meu coração se inclina a aceitar, mesmo sem ser exactamente aquilo que eu sempre sonhei. Tem vários detalhes nessa história, que com o tempo te contarei, amiga, se Deus quiser.

Vou estudar enfermagem também. Ser enfermeiro, como eu já disse antes se não estou enganado, é algo que sempre quis: considero coisa útil à sociedade e edificante para a formação da pessoa. Todos dizem que tenho muita paciência e firmeza, então espero sim ser um bom enfermeiro algum dia, que Deus o permita.

Abraços, e bom sábado, amiga. "O sábado é a Rosa da semana" (Clarice Lispector).

Au revoir ma douce amie!

LUmeNA disse...

A Flor do Sul - Perah Hadarom,

Sim, temos todos na Terra uma origem comum. Simplesmente somos tão diferentes no exterior, fisionomia, cor da pele e tradições culturais. O estudo do genoma humano é maravilhoso, e conclui-se que as diferenças de fisionomia e de tradições culturais dependem da história.

Dou-te um conselho: faz o que o teu coração manda. Ouve as tuas vozes interiores e, decide o que para ti é melhor. Só tu o podes decidir. Mas, na certeza porém, essa decisão de ires para Cariacica, é a melhor.
Como és muito paciente, dedicado, responsável e firme nos teus objectivos de vida, penso que serás um excelente enfermeiro. Conclui esse sonho, tudo está a teu favor.
Vai visitar a tua mãe e irmã, esse teu desejo já é de há muito tempo, portanto penso que em primeiro lugar seria essa visita familiar. Desejo que as encontres brevemente.

Abraços e bom fim-de-semana.
Lumena

A Flor do Sul - Perah Hadarom disse...

Bom dia, senhora linda!

Ah, sim, sobre o genoma humano, sei do que se trata, e acho um estudo maravilhoso este que estão a fazer sobre nosso ADN, amiga. Realmente todas as diferenças entre nós são de ambiente e história, não de sangue, pois é o mesmo em toda parte.

Lumena, não quero falar muito desta vez, senão sei que choro.

Amiga, eu farei o que meu coração manda. A cidade não é Cariacica exactamente, hahaha, mas deve de ser próxima; chama-se Assu, e dizem que é a "Atenas" da região, pois é cheia de poetas, então eu serei só mais um.

Vou-me para lá, mais por amor. Mais por desejo de finalmente o encontrar que por qualquer outra coisa, essa é a verdade, ainda sou uma pessoa muito impetuosa, e sinto que tenho esperanças. Falei com ele ontem, o Renato, pelo MSN, e ele me enviou duas fotografias... sabes que senti vontade de tocar com os dedos o ecrã do computador? E o fiz! Claro que isso é pieguice, mas sabes que sou sincero e digo tudo. Ele é tão bonito, e tão doce, sinto que se finje de forte, que não é essa coisa forte que é, talvez seja como eu! Amiga, publicarei um poema, e as fotos dele junto, depois posto no blogue francês, e prometo que te aviso se quiseres.

Ser enfermeiro, isso é algo que também quero, e vou te manter a par do andamento dos meus estudos, eu prometo, Lumena. Ai, pronto! Já chorei. Falo demais sempre!

Minha mãe, sim e minha irmãzinha linda e todos lá na quinta, no campo onde eu vivi toda a infância e começo da juventude! Tenho que voltar, e voltarei! Deus me permita, Deus me ajude! Fico nervoso, Lumena, me sinto igual criança outra vez, acho que já chegarei ali a chorar, e queria tanto poder manter um ar tranquilo diante de minha mãe!

Minha amiga, eu vou embora, porque sei que é contraproducente ficar neste estado. Com mais calma prometo voltar depois, te amo como amigo, e nem imaginas o bem que me fazes. Bem haja!