4.4.10

Existência


O Mestre da Sensibilidade

Para existir, é necessário Ser ou Estar. A Natureza e o Homem são partes da Existência, uma sem a outra não permitiriam a existência da própria Existência.

O ser humano estando no topo da existência, tomou consciência de que existia e tudo o que o rodeava.
Podemos estudar grandes pensadores, tais como Platão, Marx, Hegel, Freud, Jung, Darwin, todavia nenhum deles foi tão complexo, interessante, misterioso, intrigante e de difícil compreensão como Jesus Cristo.
Jesus incendiou o mundo com a sua vida e com a sua história. Ele usou cada segundo do seu tempo, cada pensamento da sua mente, cada gota do seu sangue para nos comunicar a mudança do destino da Humanidade. Aliviou a dor dos que cruzavam o seu caminho, e agia com naturalidade.
Jesus não se perturbava quando os seus seguidores não correspondiam às suas expectativas, Ele usava cada erro e dificuldade dos demais, não para acusá-los, ou diminuí-los, mas para que revivassem a sua própria história.
Era um especialista na arte de pensar antes de ouvir, na arte de ouvir, na arte de expôr. Era um Maestro da sensibilidade, era alegre, tranquilo, lúcido, coerente, estável, seguro, sociável e, acima de tudo um Poeta do Amor.
Jesus procurava a inteligência das pessoas que se rodeavam dele, para as arremessar para dentro deles próprios. Conduzia-as a viver a vida como um espectáculo de prazer e de inteligência. A presença dele animava o pensamento e estimulava o sentido da vida.
Todos nós abominamos as dores e dificuldades da vida. Procuramos baní-las a qualquer custo das nossas histórias.
O Mestre da Escola da Vida, transmitia que o sofrimento deveria ser trabalhado e superado no âmago do espírito e da alma.
Cristo não queria um grupo de pessoas passivas, tímidas e que anulassem as suas personalidades. Ele a cada momento instigava a inteligência dos seus discípulos e, procurava libertá-los do seu cárcere intelectual. Era o maior de todos os educadores, o Mestre da comunicação e conseguia ouvir o que as palavras não diziam. Cativava as pessoas pela sua sensibilidade, pela maneira segura, afável e penetrante de ser.

O Mestre Jesus provocou uma revolução no pensamento humano jamais sonhada.

Analisar o brilhante comportamento de Jesus, acende as luzes da nossa Consciência, e nos torna pessoas mais abertas para as infinitas maravilhas da Existência.

LUmeNA

34 comentários:

Crislaine disse...

Olá graça e paz!

Fico feliz em ver mais um blog cristão, espalhando a palavra
de Deus, estou passando para te visitar, e dizer que seu blog
está sendo uma bênção em nossa blogosfera cristã, já estou te
seguindo.

Faça-me uma visitinha e aproveite para participar do
Sorteio do livro: TEMPERAMENTOS TRANSFORMADOS POR TIM LAHAYE

Crislaine

Abraços

Rener Brito disse...

Este texto é o que eu chamo de um texto escrito por alguém que teve um encontro com Cristo, e não por alguém que ouviu falar Dele.
Realmente Jesus não discorria sobre uma fé sem inteligência.
Para Ele, primeiro deveria se exercer a capacidade de pensar e refletir antes de crer, depois vinha o crer sem duvidar.
Sempre instigava as pessoas a raciocinar para que fossem livres do cárcere psicológico em que viviam – criado pela política e as religiões de sua época.

Abraços minha querida amiga.

Rener.

LUmeNA disse...

Olá Crislaine,

Já lhe fiz uma visitinha e estou seguindo o seu blog.

Grata.

LUmeNA

LUmeNA disse...

Rener Brito,

Grata pelas tuas palavras.

Cristo deixou-nos muitos ensinamentos com os pensamentos e reacções ao longo da sua história.
Enfrentando dramáticas situações, nos demonstrou ser o Mestre dos Mestres da escola da vida.
Em vez de eliminar os sofrimentos, expandia sabedoria; em vez de destruir as perdas, utilizava a arte de pensar, e não se desanimava com frustrações, pelo contrário, renovava as forças.
A missão de Jesus Cristo é impressionante. Ele valorizava o homem ao máximo, nunca desistia de ninguém, por mais que o frustrassem.
Cristo era tão surpreendente, que o maior objectivo era romper o cárcere intelectual das pessoas, estimulando-as a serem livres na emoção.

Um Grande Abraço,
LUmeNA

Irene disse...

Oi, Lumena !!!

Cristo foi, realmente, excepcional. Ensinou-nos a arte do "bom viver"...a arte da "generosidade"....a arte da "compreensão"....a arte do "perdão". Conseguiu modificar um mundo inteiro usando, apenas, o amor pela humanidade.

Um abraço !!

LUmeNA disse...

Olá Irene!

Amor pela humanidade incondicional, e só é possível de atingir tendo compreensão do sentimento de que tudo é bom, tudo é útil.

Grata!

Abraços,
LUmeNA

Eder Barbosa de Melo disse...

Olá Lumena, fiquei muito feliz em ter você como seguidora e estou passando para retribuir o carinho. Procurei seu link clicando em sua imagem, mas parece que não está disponível. Então vi um comentário seu no Blog do Edson e deu certo. Estou aqui e sou seguidor também. Muito obrigado mesmo!

Se não for pedir demais, conheça o http://recortecotidiano.blogspot.com/ um blog onde compartilho um pouco dos meus devaneios e meu amor por Cristo, além de música, poesia, cinema, etc. Será um prazer receber sua visita e tê-la como seguidora. Forte abraço.

Eder Barbosa de Melo disse...

Texto maravilhoso, uma das abordagens mais profundas que já li. Na realidade, me abriu os olhos para compreender pequenos detalhes que podem fazer toda diferença. Também creio num Cristo sensível, poeta do amor, que usava os lírios do campo para falar de seu cuidado por nós. Quando nos encontramos com este Senhor e não com a religião, nunca mais somos os mesmos. Concordo com o amigo que afirmou acima: "Este texto é o que eu chamo de um texto escrito por alguém que teve um encontro com Cristo, e não por alguém que ouviu falar Dele". Mais que um seguidor, você ganhou um fã. Beijos!

LUmeNA disse...

Eder Barbosa de Melo,

Realmente não dá entrada clicando na imagem para o meu blog "lumynart.blogspot.com". Vou verificar o que se passa. Grata.
Irei ver o seu blog.

Abraços,
LUmeNA

LUmeNA disse...

Eder Barbosa de Melo,

"Quando nos encontramos com este Senhor e não com a religião, nunca mais somos os mesmos."

Toda a verdade leio nesta frase.

Existe muita coisa errada na religião. Adorar "altares", não está na minha noção de Amar os outros, obviamente de que não vejo lógica para a sua existência.
A minha relação com Deus é muito pessoal.
Jesus Cristo não era religioso, nunca pregou a existência de Igrejas, de padres, nem de nada relacionado com hierarquias que só geram corrupção e injustiças. Jesus Cristo pregou o modo como os homens se deviam relacionar entre si. Tudo com base na caridade pelo próximo, na justiça e no Amor.
A única mensagem sobre religião que Cristo falou, foi para acreditarem nele e seguir os seus ensinamentos.
Existe um texto escrito em Aramaico, a língua falada na galileia, na época de Jesus Cristo, a língua que Ele falava. Suspeita-se de que tenha sido escrito por Jesus Cristo, na noite antes de morrer.
A religião é causa de conflitos.

Abraços,
LUmeNA

Edson Carmo disse...

A Existência é a Fonte. Tudo veio Dela, tudo depende Dela, mas Ela mesmo, de nada depende – Jesus é a Fonte.

O Mestre expressado, entendido por palavras é apenas um mito, um personagem da história, um ídolo... Mas o Mestre vivenciado, amado, sentido... é existencial, é real. Jesus Cristo é assim: existencial, real.

Lindo o seu texto...

Abraços do amigo,

Edson Carmo

Eduardo Aleixo disse...

Escreveste um tsexto maravilhoso sobre um SER maravilhoso. Tão bom ler-te. Beijo

LUmeNA disse...

Edson Carmo,

"...Jesus Cristo é assim: existencial, real."

Jesus tem as palavras que preenchem o vazio existencial do ser humano, dando o real sentido à vida.

Mui Grata,

Um Grande Abraço,
LUmeNA

LUmeNA disse...

Eduardo Aleixo,

O Cristo Maravilhoso é capaz de nos transformar, para que todos nós possamos fazer as mesmas Maravilhas que Ele.

Grata.
Um Grande Abraço,
LUmeNA

Graça Pereira disse...

Achei fantástica esta reflexão sobre o Mestre da Comunicação e do Amor.
" Cristo não queria um grupo de pessoas passivas, tímidas..." Claro que não. Ele próprio um dia afirmou: "Que o teu sim, seja sim e que o teu não, seja não". Nunca aceitou meias medidas... "Não podes servir a dois senhores..."
Obrigada minha querida por este texto tão belo.
Beijo amigo
Graça

LUmeNA disse...

Graça Pereira,

Exactamente! Grata!

Um Grande Abraço,
LUmeNA

Azoth disse...

Olá caríssima Lumena.

Deixe-me fazer-lhe uma questão. Quais foram as fontes que lhe serviram de base para traçar o perfil que descreve de Jesus?

Jesus foi um Grande Adepto, sem sombra de dúvidas, mas outros houve maiores que ele e iguais a ele. Quanto mais que aquilo que leccionava não era original, basta recuar uns séculos atrás e estudar a vida e a mensagem de Gautama.

Contemporâneo de Jesus Leccionou Apolónio de Tiana, que por incrível que lhe possa parecer surge em mais relatos históricos que Jesus. Jesus para os historiadores da época passou quase como incógnito.

Penso que incorre numa tremenda injustiça para com Jesus e para os Adeptos iguais e superiores a ele, a elevá-lo à categoria que o eleva em detrimento dos restantes.

Cumprimentos Fraternos

LUmeNA disse...

Azoth,

Não existe injustiça alguma em relação a Jesus e outros anteriores a Ele. A forma como O elevo, tem a ver com a minha total entrega, nos seus ensinamentos para a Humanidade.

O Evangelho do Novo Testamento, a principal fonte da vida de Jesus Cristo.
Não conheço ninguém que tenha feito mais pela humanidade do que Jesus. De facto, não há nada de errado no cristianismo.
Em muitos pontos, a vida de Apolônio de Tiana, se assemelha à de Jesus Cristo. Até mesmo a sua vinda à Terra, foi anunciada pelo Espírito Santo.
A maior parte do ritual e do simbologismo da Igreja Católica, e não só, assim como totalidade dos símbolos da magia, do hermetismo, do ocultismo, da gnosis, e de muitas outras formas de ocultismo, provêm de Apolônio de Tiana!
Jesus, jamais, usou qualquer desses símbolos.
A mensagem de Siddhartha Gautama, no budismo, não tem nada de novo, no contexto da época pode ser entendido como uma reacção ao hinduismo dominante. Mas, muitos dos seus ensinamentos já se encontravam noutros sistemas filosóficos, existentes séculos antes, como por exemplo, temos o Samkhya.
Deixar de compreender Jesus, é deixar de compreender as suas verdades.

Você já pensou o quanto os nossos cérebros físicos estão programados e condicionados? Já tentou olhar alguma coisa material e tentou vê-la como algo imaterial?

O problema é que hoje em dia olha-se muito para o corpo físico, excessivamente, e não se experiencia outros estágios mais subtis da evolução do Ser.
Na realidade o que se passa, é que todos nós temos degraus de evolução, para transformação interior. Está tudo dentro de nós.
É preciso que compreenda, é preciso lutar, mas que luta é esta?
É a luta interior. Eu não posso brigar consigo, mas posso brigar comigo, para a minha transformação. É isto que devemos fazer, para a nossa transformação individual.

Cumps,
LUmeNA

Azoth disse...

Caríssima Lumena,

Não querendo entrar na sua vida particular, vou dar-lhe um exemplo do erro em que se cai quando só se usa uma fonte histórica para chegar a qualquer conclusão.

Espero que tenha uma boa relação com os seus pais, mesmo que não tenha penso que vai compreender o exemplo que lhe vou dar. Se decidisse escrever um texto em honra do seu pai, aos seus olhos não será para si o melhor pai do mundo? Se o amor que tiver por ele e o que ele lhe dá for tal que até tem dificuldade em arranjar palavras para o descrever, não irá ficar nesse texto uma carga emotiva tal que toque no coração de quem o leia?

Pois bem se um estranho ler a sua carta possivelmente irá se sentir atraído pela figura paterna que descreve. Mas será justo em dizer que o seu pai é o único pai do mundo nessas condições?

A relação Mestre discípulo ultrapassa em muito a relação paterna que o senso comum conhece e se um discípulo tiver que escrever acerca do seu mestre o elevará quase a categoria divina, embora o seu mestre o advirta sempre para evitar tais descrições.
Os evangelhos, retirando as partes que foram deturpadas pelos primeiros sacerdotes são isso mesmo, discípulos a escreverem acerca do seu mestre.

Para compreender a mensagem de Jesus terá de ler todas as “cartas que os filhos escreveram acerca dos seus pais” e aí verá que Jesus não foi original, da mesma forma que as mesmas palavras que você usa para descrever o seu pai outros filhos as usam.

Desta forma também não a censuro por não conhecer mais ninguém que tenha feito mais pela humanidade que Jesus.

Intrigado com o que escreveu acerca de Apolónio, por me parecer ser fruto de uma descrição encontrada num qualquer site, fiz uma breve pesquisa na net acerca do que se encontra relativamente a Apolónio, e desculpe que lhe diga, mas até o wikipédia o descreve com um maior bom senso.

Sim, Gautama surgiu como um reformador no hinduísmo, especialmente para retirar poder aos brâmanes que se desviavam nas suas práticas das verdades dos Vedas, da mesma forma Jesus surgiu como um reformador do Judaísmo que se desviava do culto à verdadeira divindade.
A mensagem de Jesus é toda ela Budista, Pitagórica, Platónica, porque todas estas grandes personagens beberam os ensinamentos da mesma fonte. Qual é o problema em admitir isso?

Pessoalmente sei muito pouco ou quase nada e dedico algum do meu tempo à investigação histórica para tentar perceber onde se encontra a verdade, para tentar colmatar a minha ignorância e como Blavatsky escreve “ os Vedas com a sua grandiosa poesia; os Livros de Hermes; O Livro dos Números Caldeu; O Código dos Nazarenos; a Kabala dos Tanaimes; o Sepher Yetzirah; o Livro da Sabedoria de Salomão; o Tratado de Muhta e Badha (atribuído pela Kabala Budista a Kapila, fundador do sistema de filosofia Sankhya); os Brâmanes e o Stan-gyur dos Tibetanos, todos estes livros ensinam, veladas pelas diversas alegorias, a mesma doutrina secreta, que quando acabe por passar pelo crivo do estudo, aparecerá como o último término da verdadeira filosofia. Então nos será revelada a Palavra Perdida.”

Os meus saudosos cumprimentos.

Elizângela Lopes disse...

Muito bonito seu blog,mensagens belisimas,fiqui encantada.Parabéns.

LUmeNA disse...

Elizângela Lopes,

Grata e volta sempre!
Irei visitá-la breve.

Abraços,
LUmeNA

LUmeNA disse...

Azoth,

O seu comentário foi para mim, mais uma prova de que o Amor de Jesus Cristo alcançou a minha vida, direi mesmo, de uma forma Paternal, no completo entendimento do Seu Amor, também pela Humanidade.

Sempre tive um bom relacionamento e saudável com meus pais, e foi recíproco. Hoje sou mãe e o mesmo dirão os meus filhos.
Jesus Cristo recebe de mim, do seio da minha família o Amor que Ele plantou.

Que culpa tenho eu, se os outros Apóstolos, Filófosos, ou como queira chamar, não conseguiram ser seu Pai, não conseguiram lhe transmitir, o mesmo Amor, o mesmo ensinamento, para que você possa falar Deles com a mesma emotividade de que eu falo de Jesus Cristo?
Todos nós queremos que os nossos pais sejam os melhores do Mundo. Você também quererá?!

Obviamente, que quando falo de Jesus Cristo, exponho a minha total emoção, porque o ensinamento deste Grande Mestre, Jesus Cristo, nos educou com a força do Seu carácter, pela impressionante beleza e dimensão dos seus ensinamentos, que hoje, muitos homens e mulheres, estão seguindo a Sua obra, com Amor e Felicidade.
O conhecimento fundamental é agir com sabedoria, para que todos germinem em melhores seres humanos.
Não há necessidade de procurar Deus em qualquer parte, porque Ele está em nós. Somos nós que trilhamos o nosso Caminho.

A diferença básica entre o Cristianismo e o Budismo, e todas as outras religiões, está no facto de elas tentarem alcançar Deus, enquanto no Cristianismo Deus alcança o homem. Daí a célebre frase de Cristo: "Eu sou o caminho, e a verdade, e a vida; ninguém vem ao Pai senão por mim". Isto diz tudo, Azoth!

Você me fala das pessoas melhores que Jesus Cristo, e me diga porque as sementes dessas tais pessoas, não prosperam, sendo elas descritas como boas?
Se sabe "muito pouco ou quase nada", a sua humildade, é de facto invejável!
Me diga, colmatando a sua "ignorância", enumerando Blavatsky, entre outros, o que essas personagens da História fizeram por si, pela sua vida, e por favor, dê testemunho. Se você não tiver nenhum testemunho pelos ensinamentos de tais personagens, eu tenho:

Quando alguém o critica ou o elogia, receba ambos com senso de equanimidade. Quando alguém tentar feri-lo, enquanto outro pode tentar lhe fazer algo de bom, trate ambas as situações com equanimidade.
Os valores humanos Universais da Verdade, da Paz, da Não-Violência, de Amor, de Rectidão, nos conduz à construção de melhores seres humanos.

Um Bem Haja,
LUmeNA

MQ disse...

hoje o que mais falta faz ao ser humano é a sensibilidade que Jesus possui, encarar as fraquezas das pessoas como um oportunidade de as fazer crescer e melhorar - magnifico

Mais um belíssimo texto

Azoth disse...

Minha amiga que lhe posso eu dizer...

Fico feliz por se sentir inflamada por uma vontade em amar o próximo, o mundo bem que precisa. Mais para além de amar de educar.

Que o fogo que possui queime só as ervas daninhas do seu caminho e ilumine todos aqueles que estiverem ao seu redor.

Nunca deixe que esse fogo lhe
turve a mente e esse amor decai-a para uma ardente paixão transformando-se em fanatismo.

Por religiões já tombou muita gente, ao defenderem que o Deus em que acreditam é superior ao outro.

Abraços Fraternos :.

LUmeNA disse...

MQ,

Sensibilidade! Dizes e muito bem.

A palavra certa para definir Jesus como um ícone de celebração à alegria, à liberdade e à esperança. Ele não se perturbava com o mau comportamento dos outros, pelo contrário, aproveitava cada momento de fraqueza para ensinar importantes virtudes como a paciência, a tolerância, o perdão e a humildade.

Um Abraço,
LUmeNA

LUmeNA disse...

Azoth,

"Minha amiga que lhe posso eu dizer..."

Caro Azoth, em questões filosóficas o ser humano se prende demasiado.
Somos seres humanos racioanis, devido à nossa capacidade de pensar, elaborar e raciocinar, embora criarmos uma série de situações e formas de existência que foge completamente do fluxo natural da vida.
A evolução faz parte da vida. No entanto tem-se uma certa resistência
em não demonstrar que, os sentimentos e sensações desagradáveis bloqueiam o fluir natural da vida. As
oportunidades passam e não são percebidas, ou quando se percebe, paralisa as acções, limitando as
escolhas. Por este facto a humanidade se encontra ainda fora das questões mais importantes da consciência.
A consciência é um fenômeno fascinante e polémico, gerando na própria filosofia e ciência modelos e teorias.
Pelo contrário a consciência ajuda-nos a aproximar-mo-nos de situações
benéficas.
A consciência nos faz compreender o que somos, e não máquinas controladas pelo Ego.

Me diga porque os tais filósofos de que fala, não conseguiram lhe transmitir os ensinamentos, para que fale com a mesma emotividade de que eu falo de Cristo.

E porque os ensinamentos, ou seja, as suas "sementes", não prosperam, sendo elas descritas por você, como boas.

Coloco-lhe estas duas questões, e me diga, com a mesma convicção, sem colocar o fanatismo. Porque se formos para esse campo, o teor da conversa terá outro princípio.

Um Bem Haja,
LUmeNA

Rener Brito disse...

Na realidade muitos tentam chega a Deus, no exercício disciplinado da compaixão, e não pela fé de Jesus, que leva Deus e o seu grande amor aos corações, que leva a metanóia, do arrependimento, da mudança de mente.
Em sua busca pela verdade os homens resumem suas vidas em uma eterna busca... sem a alegria do encontro. E quando há encontro, não passa de um treinamento da mente e não uma visitação do amor no coração.

Nele que a busca é de encontro, de fato e de verdade.

Rener.

Azoth disse...

Caríssima Lumena, se a amiga não compreendeu aquilo que escrevi, como espera compreender mais alguma coisa que possa ter para lhe dizer?
Encontrou uma cor do arco íris, ficou feliz e alegre por ter descoberto essa mesma cor, vive nessa cor e como tal tudo lhe surge diante de si como matiz dessa cor, desde o mais claro ao mais escuro. É capaz de optar pela matiz que mais lhe agrada, mas, existem outras cores, mais, existe um conjunto de cores que forma o arco-íris, mais, existe um céu onde esse arco-íris está, um planeta, um universo, um desconhecido.
Fico feliz por sentir essa felicidade no seu íntimo, apenas tem de a comunicar ao próximo e fazê-lo crescer.

Caríssimo Rener, que palavras tão bonitas, só é pena que muitos se vislumbrem pela luz de Jesus, que fiquem hipnotizados pelo seu esplendor e se esqueçam de cumprir Deus na Terra.
Só faz a obra aquele que conhece o plano. O amor se não for guiado pela vontade e pela inteligência é como o fogo da explosão num cilindro de um motor que não tenha esse mesmo cilindro para o conter, queima, aquece, dá luz mas não impulsiona o carro. Espero que use o seu fogo da forma correcta e não para queimar na fogueira aqueles que amam, que se devotam e que procuram entender o plano para fazer do mundo um lugar melhor para se viver.

Cumprimentos Fraternos

LUmeNA disse...

Rener Brito,

"Em sua busca pela verdade os homens resumem suas vidas em uma eterna busca... sem a alegria do encontro."

Sem fé não há encontro.
Excelente comentário. Grata.

Abraços,
LUmeNA

LUmeNA disse...

Azoth,

Compreendi perfeitamente o significado das suas palavras.

Só pretendo obtêr resposta às questões que lhe coloquei.

Sendo assim, uns vão à conquista de matizes, porque crêem que aí está a quimera dos seus sonhos; outros, no extremo oposto, se afastam do mundo e dos seus sonhos, e quanto maior é o recolhimento, se sentem mais próximos da quimera que perseguem.

Um Bem Haja,
LUmeNA

Azoth disse...

Caríssima Lumena.

O que se sub entende daquilo que escrevi é que pessoalmente Honro e estou grato a todos os Mestres que trouxeram luz ao Homem desde tempos imemoriais e que Deus nos continue a enviar grandes espíritos que nos possam encaminhar.

Temos de estar agradecidos a Manu, Vyasa, Hermes, Orfeu, Zoroastro, Pitágoras, Gautama, Jesus, Maomé, Confúcio, entre todos os outros, que me perdoem os deuses por não recitar os seus nomes e perceber qual o nosso papel neste mundo e cumprir o nosso dever.

Nenhum destes mestres é maior que outro, todos eles são grandes e é quando se julga que um é maior que outro formam-se as religiões como o senso comum as entende e aí começam os problemas e as disputas a querer mostrar que “o meu é melhor que o teu e se o teu é tão bom como o meu prova-me lá o que dizes.”

Como é obvio não basta só amar, como não basta só ordenar, como não basta só conhecer. Entre estas 3 potências tem de existir um equilíbrio e esse equilíbrio temos de o encontrar primeiro em nós, pois ele é a base do Homem. Só quando tivermos consciência disso podemos começar a construir uma obra sólida.

Rener Brito disse...

Caríssimo Azoth. Obrigado por suas palavras prudentes e respeitosas.
O vislumbre é um fato que aconteça perante a luz de Jesus, já que foi o mestre que elevou o amor a um nível que não só a sua palavras exalavam amor, mas o seu próprio existir era uma profunda mensagem de amor. Digo isto como quem tem o bom habito ler sobre outros mestres.

Quando o aproximar-se Dele é decorrente do coração e de uma consciência de quem somo e de quem Ele, o vislumbre perante a luz nos mostra a oportunidade para voltarmos a ser, o que a muito no éden se perdeu. Mas se assim não for, tudo que este encontro produzirá, é religiosidade e uma ambigüidade crescente.

Abraços.

Rener.

LUmeNA disse...

Caríssimo Azoth,

Encontrei o arco-íris, fico feliz e alegre, exactamente.
A minha forma de comunicar aos outros, tem muito a ver com o acreditar em mim própria.
Sim, todos os Mestres, entre eles: a Manu, Vyasa, Hermes, Orfeu, Zoroastro, Pitágoras, Gautama, Jesus, Maomé, Confúcio, não excluindo outros tantos, porque certamente este espaço não chegaria para todos eles, mas dentro de nós, alguns deles estão nos encaminhando, nos ensinando, nos deixando os seus legados, nos dirigindo de forma presente nas consciências, nos motivando a não mantermos a nossa mente ocupada.
Não é difícil, simplesmente deixar para tráz o cultivo deliberado da mente, transformando um estado totalmente livre do fazer, simplesmente deixar a consciência exactamente como ela é.
Sim, nenhum Mestre é melhor do que outro, aí dou-lhe razão. Agora, o meu Mestre, Aquele em que eu acredito, em que conheço os Seus ensinamentos, me dá paz ao coração.
Na teoria precisamos aprender a nos tornarmos amigos dos nossos próprios problemas, senão lutamos contra a questão. Eu olho para o problema sem reagir a esse problema, simplesmente o transformo num simples objecto de observação. Neste caso ponho-me na pele de observadora.
Não há nada mais do que, estarmos conscientes de cada coisa que fazemos, a cada momento da vida. A consciência tudo cria, dentro do nosso centro, nos torna sensíveis, centrados e tranquilos. Felizes também.
Feito isso, conseguiremos entrar em contacto com a nossa natureza mais pura e vivenciar a verdadeira felicidade, que não depende de circunstâncias externas.

Cumprimentos Fraternos,
LUmeNA

Edson Carmo disse...

Querida amiga LUmeNA,

Você deve falar de acordo com a capacidade de cada um. Por exemplo: Se você quiser falar com um surdo, é certo que a comunicação só acontecerá de fato através dos símbolos, falar-lhe através das palavras não é possível.

Estou vendo que seu questionador tem vontade de aprender – é um buscador –, mas você está falando a ele por meio da Consciência, quando ele limita-se apenas a mente racional.

A mente não pode ser una. Por isso o que quer que alguém veja por intermédio da mente torna-se dual...

Quando um raio branco entra num prisma, ele é imediatamente dividido em sete cores e está criado o arco-íris. Antes de entrar no prisma a cor era uma, através do prisma ela se dividiu, e a cor branca desaparece nas sete cores do arco-íris.

A mente é um prisma, a racionalidade é o arco-íris, mas a Consciência é o raio branco – a única realidade.

Abraços do amigo,

Edson Carmo